Bitcoin bate seu preço histórico e alcança US$ 68 mil

Em forte movimento de alta, o Bitcoin (BTC) retornou ao patamar dos US$ 66 mil por unidade no começo da semana e finalmente alcançou uma nova alta histórica, chegando em US$ 68 mil nesta terça-feira. A repentina valorização, que começou ainda na segunda-feira (8), também impulsionou algumas das principais criptomoedas alternativas, ou altcoins, como a Cardano (ADA) e Ether (ETH), o token nativo da rede Ethereum, que já está valendo US$ 4,8 mil.

Confira, abaixo, o gráfico de negociação do Bitcoin durante o ano — antes do recorde de hoje, o último valor máximo da moeda digital foi alcançado em 20 outubro, quando a moeda bateu US$ 67 mil. Após sofrer com certa volatilidade, o Bitcoin alcançou seu novo topo histórico em um momento importante.

Fuga da Inflação

Ao que parece, o medo crescente da inflação ainda é o principal motivo para o repentino movimento de alta do Bitcoin: “As pessoas estão sentindo o aperto globalmente […], seja nos preços da gasolina nos Estados Unidos, da energia na Europa ou dos alimentos na América Latina,” diz o boletim informativo da empresa Coinbase, “[…] as restrições na cadeia de fornecimento e o encolhimento da força de trabalho faz os investidores buscarem uma reserva de valor,” contextualiza.

Essa teoria “varejista” sobre a movimentação de preços do Bitcoin também encontra suporte na análise do corretor sênior da Crypto Finance AG, Daniel Kukan, que aponta a negociação à vista de satoshis (os “centavos” da principal criptomoeda) como o motor responsável pela recente valorização.

Otimista, Kukan ainda comenta sobre o trajeto lateral no preço do Bitcoin nas últimas três semanas: “Foi uma consolidação saudável e o mercado não testou o suporte de curto prazo de US$ 58 mil, o que é um sinal de força,” explica, “Posso ver algum interesse vendedor um pouco acima de US$ 70 mil, [mas] acho que vamos vencer esse nível bem rápido,” ele avalia.

Ouro ou Bitcoin?

Tradicionalmente, ao longo de toda a história, o ouro é uma das principais alternativas utilizadas como reserva de valor frente à inflação. O Bitcoin, por sua vez, acabou recebendo o apelido de “ouro digital” na mídia internacional por estar crescendo cada vez mais no coração (e bolso) do investidor comum.

Veja abaixo um comparativo entre a valorização de preços do ouro tradicional e do “ouro digital” nos últimos dez anos:

Fonte: Tecmundo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.