Pontes e Lacerda: Mais de quarenta e sete mil testes comprovam qualidade da água

Essencial para a manutenção da vida, a água é um elemento importante para a saúde humana. Por esse motivo, é necessário estarmos sempre atentos à qualidade da água que temos acesso. Visando o tratamento eficiente e a entrega de água de qualidade à população, a Águas Pontes e Lacerda realizou no primeiro semestre de 2020 mais de 47 mil testes laboratoriais de qualidade da água.

Com a pandemia, o uso da água para os cuidados com a saúde ganha importância ainda maior. “Hoje, a Águas Pontes e Lacerda abastece todos os bairros da cidade, atendendo a 100% da população. Os testes que efetuamos diariamente nas nossas estações de tratamento e em vários pontos da rede de distribuição garantem a qualidade da água entregue a cada família”, afirma André Silva, diretor operacional da concessionária.  

Mensalmente, a Águas Pontes e Lacerda disponibiliza em seu site os resultados dos testes efetuados para comprovar a qualidade da água distribuída pela rede pública de abastecimento da cidade. As informações visam manter a transparência dos serviços prestados e evidenciam o resultado de um rigoroso processo de controle de qualidade do tratamento e distribuição da água. Para saber mais acesse www.iguasa.com.br/pontes-e-lacerda.

“Cem por cento da água potável distribuída pela concessionária é fluoretada e atende a todas as normas do Ministério da Saúde e dos órgãos fiscalizadores”, reforça André Silva.

Reservação individual. Captada, tratada e distribuída, agora os cuidados com a água devem continuar dentro de casa para manter a potabilidade garantida pela concessionária. A atenção com a higiene da caixa d’água é fundamental para a manutenção da qualidade da água que será consumida no dia a dia. Com a limpeza regular do reservatório é possível, com segurança, beber a água diretamente da torneira.  

Conforme recomendação do Ministério da Saúde, os reservatórios devem passar por limpeza a cada seis meses. A medida evita a contaminação da água por germes e bactérias, entre outros microrganismos patogênicos, que podem desencadear inúmeras doenças.

“Outro ponto a salientar, além da limpeza, é o correto tamponamento da caixa d’água. Isso evita o acesso de ratos e pombos, a entrada de insetos e até a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue”, alerta o especialista em saneamento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.